Doenças da Alma (André Luiz)

No círculo das enfermidades terrestres, cada espécie de micróbio tem o seu ambiente preferido. 

• O pneumococo aloja-se habitualmente nos pulmões; 

• o bacilo de Eberth localiza-se nos intestinos onde produz a febre tifoide; 

• o bacilo de Klebs-Löfller situa-se nas mucosas onde provoca a difteria. 

• Em condições especiais do organismo, proliferam os bacilos de Hansen ou de Koch. 

No campo infinitesimal, as revelações obedecem à mesma ordem surpreendente. 

As doenças psíquicas são muito mais deploráveis. A patogênese da alma está dividida em quadros dolorosos. 

• A cólera, 

• a intemperança, 

• os desvarios do sexo, 

• as viciações de vários matizes, formam criações inferiores que afetam profundamente a vida íntima. 

Quase sempre o corpo doente assinala a mente enfermiça. A organização fisiológica, segundo conhecemos no campo das cogitações terrestres, não vai além do vaso de barro, dentro do molde preexistente do corpo espiritual. Atingido o molde em sua estrutura pelos golpes das vibrações inferiores, o vaso refletirá imediatamente. 

Como encarar o problema das formações iniciais? 

Enquadrava-se a afecção psíquica no mesmo quadro sintomatológico que conhecera, até então, para as enfermidades orgânicas em geral? 

Haveria contágio de moléstias da alma? 

E seria razoável que assim fosse na esfera onde os fenômenos patológicos da carne não mais deveriam existir?

Nas moléstias da alma, como nas enfermidades do corpo físico, antes da afecção existe o ambiente. 

• As ações produzem efeitos, 

• os sentimentos geram criações, 

• os pensamentos dão origem a formas e consequências de infinitas expressões. 

E, em virtude de cada Espírito representar um universo por si, cada um de nós é responsável pela emissão das forças que lançamos em circulação nas correntes da vida. 

• A cólera, 

• a desesperação, 

• o ódio

• e o vício oferecem campo a perigosos germens psíquicos na esfera da alma. 

E, qual acontece no terreno das enfermidades do corpo, o contágio aqui é fato consumado, desde que a imprevidência ou a necessidade de luta estabeleçam ambiente propício, entre companheiros do mesmo nível. 

Naturalmente, no campo da matéria mais grosseira, essa lei funciona com violência, enquanto, entre nós, se desenvolve com as modificações naturais. 

Aliás, não pode ser de outro modo, mesmo porque você não ignora que muita gente cultiva a vocação para o abismo. 

Cada viciação particular da personalidade produz as formas sombrias que lhe são consequentes, e estas, como as plantas inferiores que se alastram no solo, por relaxamento do responsável, são extensivas às regiões próximas, onde não prevalece o espírito de vigilância e defesa. 

André Luiz;
Psicografia: Francisco Cândido Xavier;
Livro: Missionários da Luz.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a sua participação!