Entrevista: Nehemias Marien - O pastor que aceitou o Espiritismo - O autêntico Cristão

"Olha, nós todos somos médiuns. Queiramos ou não. É uma questão de reconhecer, constatar e disciplinadamente desenvolver. Agora, há muitos preconceitos. Nossa cabeça é assim muito cheia de preconceitos, conceitos não, mas preconceitos temos demais. Então, eu acho o seguinte: eu, a respeito da mediunidade até agora estou sentindo... (emociona-se e chora). Eu acho que o verdadeiro servo de Deus é um médium. Ele não fala de si. Vamos dizer, entre aspas, traduzindo sentimentos, é uma incorporação espiritual. Ele não é dono dele, é um veículo, um canal. O importante é a mensagem que transmite." (Nehemias Mariem)

"Esse extraordinário homem, Pastor Nehemias Marien, desencarnou em janeiro de 2007. Com certeza deixou uma grande obra para a humanidade. Seu conteúdo evangelizador ecumênico deixou sementes, que com certeza continuarão a brotar pelos dias vindouros, facilitando os alicerces da construção do tão esperado Mundo de Regeneração." (FRATERLUZ) 

No seio das mais variadas tendências religiosas, vozes corajosas se levantaram para pregar a tolerância e o diálogo, afim de que a humanidade caminhasse junta ao encontro da verdade.

Por sua relevância no meio evangélico é impossível deixar de destacar o conceituado pastor presbiteriano Nehemias Marien, formado em teologia pela Faculdade de Teologia da Igreja Presbiteriana em Campinas – SP e em jornalismo e comunicação pela Universidade de Bloomington - EUA; Mestre em ciências bíblicas pela Escola Bíblica de Jerusalém e pela Universidade de Nottingham Inglaterra; respondeu por 6 meses sobre a Bíblia no programa de televisão "Show Sem Limites", apresentado pelo comunicador J. Silvestre, em 1972. 

Naquela época, dado as suas brilhantes respostas no programa referido, que alcançaram todos eles altos índices de audiência, esgotaram-se no Brasil os exemplares da Bíblia - dados oficiosos - isto segundo informações de pessoas confiáveis que acompanharam o programa naquela época, que disseram também que ele conseguiu acertar todas as perguntas nos vários programas que participou, chegando a ganhar o prêmio máximo. Foi cidadão honorário do Rio de Janeiro, título concedido pela Assembleia Legislativa e pela Câmara de Vereadores.

O Pastor Nehemias assumiu sua mediunidade, falou sobre as evidências da reencarnação, em várias passagens bíblicas, e abriu espaço para pregação da doutrina espírita em sua igreja. 

Para ele, "o Espiritismo foi o mais caudaloso afluente do Cristianismo", a Bíblia o mais antigo livro de psicografia e mediunidade, Cristo o médium perfeito, e diz que a mentalidade kardecista todos nós a temos. 

Demonstrou um grande respeito por Chico Xavier, com quem esteve por duas vezes, e por Dom Hélder Câmara. 

Apesar de todos estes pontos de vista, com independência ideológica, ainda conseguiu o respeito de sua comunidade, onde foi pastor da Igreja Presbiteriana Bethesda, em Copacabana, no Rio de Janeiro.

Foi autor do livro Transcendência e Espiritualidade, que fala com detalhes sobre as questões que abordamos nesta entrevista.

Credenciado por seu vasto currículo de estudos, suas declarações à "Visão Espírita" ganharam um peso especial, mostrando o respeito que pessoas da estirpe moral desse verdadeiro Pastor tiveram pela Doutrina Espírita.

Esta entrevista se realizou com a colaboração de uma equipe de amigos da SEDA, no Rio de Janeiro, onde se destacaram o diretor e produtor cinematográfico Alan Bispo e o Odontólogo Eduardo Leite. Contribuíram também para a realização deste trabalho, o presidente da ADE da Paraíba, Eduardo Maia e a jornalista Fátima Farias, do mesmo Estado.

Confira!!!

V.E. – Pastor Nehemias, saudações carinhosas da "Revista Visão Espírita". 

Pr. Nehemias - Meu caro Eduardo e meu caro Allan. Minhas saudações a essa preciosa revista evangélica "Visão Espírita" e uma saudação especial ao meu querido Chico Xavier, esse ícone da espiritualidade, que o mundo respeita, pelos seus 90 anos de caridade, de amor, de exercício pastoral na maior nação cristã do planeta. Estou muito feliz de participar desta entrevista com meus amados irmãos espíritas. 

V.E. – Pastor. Como o senhor define suas ideias religiosas? 

Pr. Nehemias - Minhas idéias estão em rascunho, são perfeitamente abortáveis, pois não existem dogmas na minha vida. Meus pensamentos são rápidos como um beija-flor. 

V.E. – Pastor Nehemias, qual é a sua Igreja e onde fica? 

Pr. Nehemias - Minha igreja é uma betel. Vamos dizer, uma palavra hebraica, todo lugar, onde o ser humano está presente em Deus, o eterno, na imensurável transcendência. Eu tenho até constrangimento de dizer em que igreja, porque minha igreja é você, estarmos juntos, a eclesia no pensamento de Jesus, lá na Cesareia, quando pela primeira vez disse eu vou edificar a Igreja. É isso aí, é a vida, é o trabalho, é família, caminhada. 

Quando as pessoas estão juntas, mesmo que não pensem da mesma maneira é uma igreja, é uma comunidade holística. Agora, sou de formação Calvinista, sou pastor presbiteriano, lá em Copacabana, já há 43 anos, sem sair da igreja. Meus pais eram missionários lá em Mato Grosso, onde eu nasci, morei na Inglaterra, um período na França e estou no Rio de Janeiro há 26 anos, pastoreando a Igreja Presbiteriana Bethesda. 

V.E. - Como o senhor vê as religiões e os religiosos diante de uma Humanidade cada vez mais esquecida de Deus? 

Pr. Nehemias - Com todo respeito às tradições religiosas e especialmente às ditas cristãs, vejo como uma caverna cheia de estalagmites e estalactites. Essas posições dogmáticas, esses sistemas teológicos, catecismos e credos com posições irremovíveis têm a beleza do caleidoscópio, mas, se você verificar, são despedaçados, quebrados... As igrejas, em termos gerais, ortodoxa, católica, protestante nas mais diversas denominações, deveriam parar um pouco, bater no peito, fazer uma "mea culpa" c calçar as "sandalhas da humildade" como aquele que mais amou e serviu a humanidade: Jesus Cristo. 

V.E. - As religiões, de um modo geral, são conservadoras. Qual deve ser a postura diante do crescente progresso tecnológico e intelectual que se observa hoje em dia? 

Pr. Nehemias - De abertura. O ser humano e a sociedade planetária devem ter uma visão bem ampla, holística e verdadeiramente ecumênica, com espaço até para quem pensa diferente. 

V.E. - A história mostra que as religiões costumam criar barreiras entre pessoas, provocando até "guerras santas". Por que isso acontece? 

Pr. Nehemias - É o egoísmo. As religiões são muito centradas no ego, voltados para o umbigo. Então as guerras e o ódio acabam provocando essa "desinteligência" religiosa. 

V.E. - Como o Senhor vê a Bíblia? 

Pr. Nehemias - É o livro texto da fé Cristã. Paradoxalmente o best-seller mais lido, foi traduzido para mais de 2000 idiomas e dialetos, e é o menos vivido. Prova é que os países onde o cristianismo vingou são dos mais violentos, promovendo as drogas e a sexualidade desenfreada. São países como os Estados Unidos, Inglaterra, Itália, Alemanha, Suíça e Brasil. O Brasil, esse país onde há mentiras, trapaças, fraudes, é uma nação cristã... 

V.E. - Sendo um importante líder religioso, cristão e evangélico, como o senhor encara as outras religiões e particularmente o Espiritismo? 

Pr. Nehemias - Vejo a Doutrina Espírita como a mais caudalosa vertente do Cristianismo, especialmente no exercício da caridade e na prática do amor. Uma espécie de "fiel da balança", porque mistura a ciência e a religião. A maneira espiritual de se ver a verdade deve ser científica. Ciência e espírito são duas faces da mesma moeda. A doutrina Espírita convida o ser humano a uma reflexão. 

No protestantismo, catolicismo e na igreja ortodoxa existe um "realejo" repetitivo e nós acabamos calcando nossa fé em "oráculos" que nunca foram revistos. Já a doutrina espírita enseja uma revisão espiritual, uma renovação que todos nós buscamos para a vida cristã. 

V.E. – Qual a sua visão acerca da reencarnação? 

Pr. Nehemias - Até o ano de 546, no Concílio de Calcedônia, o Espiritismo fazia parte dos cânones da Igreja. Depois, por discussões mais administrativas e menos teológica, foi banido do cânone oficial e hoje a doutrina espírita, para a maioria dos pressupostos evangélicos, porque assim, numa confusão chamar de evangélicos só os crentes entre aspas, né? Evangélico é quem anuncia a Boa Nova! Então, eu sou professor de Teologia Bíblica e de Ciências Bíblicas. É meu livro de cabeceira.

No estudo da Bíblia, as evidências da reencarnação são assim clauburosas e eu acho que o Espiritismo, como disse, é a mais caudalosa vertente do Cristianismo, pelas idéias. Você encontra, tanto no Antigo como no Novo Testamento, evidências claras da reencarnação, isto é, do prosseguir da vida. Tanto Pedro, o pressuposto grande apóstolo Pedro, fala na sua segunda encíclica, no final da Bíblia, fala sobre a existência do espírito após a morte e nesta evolução do ser humano. E também São Judas, o apóstolo de Cristo, na sua epístola final, também fala sobre o mesmo tema.

Então, sou uma pessoa estudiosa, aberta. Eu não tenho muros de espécie alguma. Eu tenho uma visão holística e aprendo muito com meus amados irmãos espíritas.

Eu tenho um livro Transcendência e Espiritualidade, onde abordo mais diretamente o assunto. Estou crescendo assim, nesta área e num certo diálogo. Tem algumas coisas que eu não entendo, pelos meus limites bíblicos e culturais, como também não entendo o próprio Cristo. Como vou compreender plenamente Kardec? 

V.E. – Mas a reencarnação é uma espécie de "calcanhar de aquiles" no relacionamento entre as igrejas ditas cristãs e o Espiritismo. Fale-nos um pouco mais sobre esse assunto. 

Pr. Nehemias - Fico feliz de falar desse tema aos pés dessa cruz artística feita de raízes de uma árvore extinta e em minha igreja, não estamos num campo neutro. Outros pastores costumam desconversar sobre esse tema, mas eu não tenho medo ou insegurança para falar de minha fé. Sou filho de missionários franceses que trabalhavam no Mato Grosso juntos aos índios Inhambiguaras. 

Falar de Espiritismo naquela época era "barra pesada", nem se podia passar na frente de um centro espírita. Assim, minha iniciação evangélica foi radicalmente anti-espírita. Tinha a mesma visão que a maioria dos evangélicos ainda tem nos dias atuais. 

Hoje, como professor de teologia e ciências bíblicas, encontro muitas dificuldades para julgar e excluir os fenômenos espíritas como fez o Concílio de Constantinopla. Há muitas versões bíblicas traduzidas não de acordo com os originais Aramaicos, Gregos e Hebraicos, mas segundo a tendência teológica das diversas denominações religiosas. Isso altera muito o sentido da verdade da escritura sagrada. 

V.E. - O senhor já manifestou este ponto de vista reencarnacionista na sua igreja? 

Pr. Nehemias - Ah, sim, sim. A minha comunidade é uma igreja grande. Somos cerca de 350 congregados, tem cinco pastores, é um colegiado pastoral, além do livro. O livro é público, editado aí. Eu tenho participado de revistas. 

Por exemplo, no começo do ano a Revista Espírita Allan Kardec publicou uma síntese do pensamento meu, a respeito. A igreja ouve-me, aceita. Eu sou o pastor titular. Somos cinco pastores, mas estou ali, orientando a Igreja, nesse sentido. Eu não tenho nada secreto na minha vida pastoral. 

V.E. - Como o público da sua igreja vê esse seu conceito reencarnacionista? 

Pr. Nehemias – Ele vê muito bem. A igreja me aceita plenamente, mas eu tenho a impressão que não só sobre o meu aspecto filosófico, teológico, doutrinário sobre o Espiritismo, mas em outros também. Porque eu, pessoalmente, Nehemias Marien, sou uma espécie de espinho de peixe na garganta de minha própria igreja, mas aceitam e vão atrás. 

Como diz o mestre: "o pastor vai à frente do rebanho e o rebanho segue, porque conhece a voz do seu pastor". Não segue em frente, mas segue a mim, mesmo que me engulam, vamos dizer assim, goela abaixo, por não entenderem bem minhas nuances teológicas e espirituais, eles me aceitam. A gente vive num amor perfeito. 

Lá na minha igreja pregou Libório Siqueira, que é desembargador, um grande espírita. O Gerson Azevedo, que é ex-presidente da Federação Espírita do Rio de Janeiro. Vários espíritas pregando na Igreja. Não vão lá só visitar não, é subindo ao púlpito mesmo! É um púlpito bonito, alto. Usam até toga e se não quiserem usar fardamento, ficam como estão, elegantemente vestidos e pregam lá. Então é uma igreja aberta. 

V.E. – Por que o senhor continua professando a teoria presbiteriana, já que acredita na reencarnação? 

Pr. Nehemias - Olha, eu estou presbiteriano. Até não gosto muito desta palavra presbiteriano porque Calvino - João Calvino, que é o estruturador do pensamento teológico protestante - ele bebia muito lá na Idade Média - mandou crucificar, crucificar na maneira de falar, mandou queimar vivo Serventus, um médico, porque discordava dele. Criou uma doutrina chamada doutrina da predestinação. Eu bato de frente contra isso. 

Agora eu estou lá, porque, acho que estamos num "pool" de idéias e a minha cabeça é holística. Assim, vamos dizer, Nehemias Marien, teológica e pastoralmente é um caleidoscópio. A beleza do caleidoscópio é exatamente ter vidros quebradinhos, bonitos e funcionais, com figuras geométricas de grande dimensão espiritual. 

V.E. - O que senhor acha da expressão "O Espiritismo não é a religião do futuro, mas o futuro das religiões"? 

Pr. Nehemias - É teologicamente correto. Veja aquela página super conhecida de Jesus e a Samaritana em que Ele diz: "Quem beber desta água que eu der nunca mais terá sede". Hipnotizada pelo poder carismático de Jesus, ela pergunta: "Meu povo adora Deus neste monte e o seu no Monte Sião, em Jerusálem. Onde está a verdade?". Jesus responde com as palavras que usarei para responder a sua pergunta: "Deus é espírito. Importa que os que o adoram, o adorem em espírito e verdade". Jesus sublinha a espiritualidade como sendo o alvo comum de todos nós. 

V.E. - O senhor já estudou a doutrina espírita? 

Pr. Nehemias - Eu tenho o livro "O Evangelho Segundo o Espiritismo" e vários livros de Allan Kardec. 

V.E. – Então, qual a sua visão sobre a doutrina espírita? 

Pr. Nehemias - Eu acho que o Espiritismo é o mais caudaloso afluente do Cristianismo, conforme disse. Considero a Bíblia como o mais antigo livro de psicografia e mediunidade. Eu acho que Jesus era o médium perfeito e que a mentalidade kardecista todos nós a temos. 

V.E. - Fale-nos sobre a sobrevivência da alma. 

Pr. Nehemias - Na epístola de São Judas ele fala de espíritos que estavam encarcerados em prisão aos quais Jesus foi pregar o evangelho. Na primeira epístola de Pedro, ele menciona espíritos que estavam encarcerados, mostrando que a morte não rompe a vida, pelo contrário. O corpo volta ao pó de onde veio mas o espírito é eterno e indestrutível. 

V.E. – E sobre a mediunidade, o que o senhor diz? 

Pr. Nehemias - Olha, nós todos somos médiuns. Queremos ou não. É uma questão de reconhecer, constatar e disciplinadamente desenvolver. Agora, há muitos preconceitos. Nossa cabeça é assim muito cheia de preconceitos, conceitos não, mas preconceito temos demais. Então, eu acho o seguinte: eu, a respeito da mediunidade até agora estou sentindo (emociona-se e chora). Eu acho que o verdadeiro servo de Deus é um médium. Ele não fala de si. Vamos dizer, entre aspas, traduzindo sentimentos, é uma incorporação espiritual. Ele não é dono dele, é um veículo, um canal. O importante é a mensagem que transmite. 

V.E. – Ainda sobre o dom da mediunidade, eles são exclusivos de determinadas pessoas? 

Pr. Nehemias - O apóstolo Paulo, em sua encíclica aos Coríntios, chega a falar que cada um tem seu dom específico. Isso não é privilégio de uma casta de sacerdotes, padres e pastores. O ser humano tem esse dom mediúnico. O objetivo é o amor. A religião de Deus é o Amor, mas amar é difícil! Você ouve: "Eu amo, mas não quero ver perto de mim", "Eu amei". No passado é impossível! Na verdade você gostou e não amou. O amor verdadeiro é eterno e irrestrito. Quem ama está abençoado! Tem Deus no coração! A caridade é uma forma de se decodificar o amor e o Espiritismo dá ênfase à caridade. 

V.E. - As religiões denominam esses dons com nomes diferentes: Carismas, mediunidade, sensitivos, dons... Seriam a mesma coisa? Tem a mesma origem? 

Pr. Nehemias - A origem é a mesma: Deus. Ele é o autor de todos os carismas. No texto de Gênesis, que fala da experiência de Jacó, diz que lá no deserto ele medita, sonha... (neste momento o pastor se emociona visivelmente e continua com a voz embargada). Ele vê que aquele lugar é uma Betel, Casa de Deus! É esse o sentido maior que todas as tradições deveriam entender; essa biodiversidade da religiosidade que mantém uma unidade na multiplicidade de "impressões digitais". É o mesmo carisma e a mesma luz que procede do trono divino! E Jesus fala: "Sois todos irmãos". Se somos irmãos, com o mesmo DNA divino, então nós devemos nos amar. 

V.E.- O que o senhor diz sobre à comunicabilidade com os espíritos? 

Pr. Nehemias - É isso que eu estava tentando passar. Eu tenho... até não entendo bem este espírito meu... mas eu tenho a impressão que é uma índia, Nhambiquara, mãe de minha mãe, minha avó Joana. Eu sinto assim, uma certa colocação, uma certa energia dela para mim. Todas as vezes que eu abro o texto sagrado, para as homílias, as pregações, os sermões, sinto que estou fora de mim. Eu admito esta transcendência da espiritualidade, esta invasão do céu no coração humano, através da mediunidade. 

V.E. - O que o senhor acha de Chico Xavier? 

Pr. Nehemias - Chico Xavier é um nome-legenda da Espiritualidade, nacional e mundial. Eu tive o privilégio de estar com ele, duas vezes. Fui fazer uma série de conferências do Rio à Brasília. Viajei de carro e propus ao meu amigo levar-me em Uberaba. Oramos juntos. Olha, Chico Xavier e Dom Hélder Câmara são pessoas que me fizeram muito bem pela prece ao meu favor. Rogo a Deus que este ícone da Espiritualidade, que o Mundo todo respeita, tenha assim muitos, muitos e muitos privilégios desta bênção inaudita de transbordar a espiritualidade como ela vem fazendo pelo Santo Chico Xavier. 

V.E. - Como o senhor encara os sucessivos ataques de pastores protestantes ao Espiritismo? 

Pr. Nehemias - Bom, como eu diria, nossos amados irmãos são aliados. Estamos todos no mesmo barco, mas eles fazem parte da artilharia. O artilheiro é o soldado que vem lá atrás. A infantaria somos nós, a doutrina espírita, aqueles que vão lá para frente. A artilharia, ao abrir espaço à frente, soltam as bombas, mas são muito ruins de cálculos matemáticos, erram os cálculos e acabam dizimando os próprios aliados. 

É o que acontece, criticando o Espiritismo, que está na mesma dimensão espiritual. Eu os chamo, vamos dizer assim, de bonsais espirituais, aquela plantinha que não cresce. Lá em Tóquio vi todo um horto só de bonsais, bonitos, mas não se desenvolveram espiritualmente. Estes que atacam nossos irmãos espíritas e outras tradições, com as quais não concordam, é uma espécie de pitimbus. 

Eu acho que os ventos contrários firmam raízes de árvore e o avião sobe mais alto. Acho que é como burilando um diamante, que vira brilhante. 

V.E. - Na sua opinião, qual seria o caminho mais eficiente para a Humanidade seguir em direção ao Ecumenismo? 

Pr. Nehemias - Eu penso como Melânquico, o grande reformador do século XVI. Ele tem uma fórmula e diz assim: "Unidade absoluta, naquilo que é essencial, o amor, por exemplo. Liberdade absoluta em tudo que é duvidoso e caridade em todas as coisas". Acho que este é o caminho do ecumenismo. 

V.E. - Como o senhor avalia a posição da igreja? 

Pr. Nehemias - O cristianismo não é propriedade da igreja. Ele é milenar e a mentalidade crística é essencialmente espiritual. A igreja dita cristã carrega nos dogmas, nos cânones, nos seus catecismos. Confundem a igreja com o edifício. 

A igreja do concílio eclesiástico reduziu o pensamento crístico a uma organização meramente burocrática. Isso pesa na consciência e responde por esse atraso medieval que sofremos. Penso que é a hora da igreja desarmar seus espíritos e reler seu "livro texto", a Bíblia, com uma nova "pontuação" e perceber que o caminho da guerra, do ódio e da monopolização da "salvação" é um caminho equivocado. 

V.E. - Jesus prometeu estar presente onde as pessoas se reunissem em seu nome. Quem se considera dono exclusivo da verdade está esquecendo esta promessa? 

Pr. Nehemias - O Deus que adoramos é quase sempre fruto da nossa fertilidade imaginativa, dos nossos dogmas e doutrinas; ou seja: é um Deus inexistente. Nós projetamos um Deus robô, que pode estar sentado lá em cima, policiando, ameaçando com o inferno ou acenando com o "céu". 

É uma projeção do consciente coletivo e rubricado pelos credos de dogmas. Esse Deus inexistente pode ser chamado do que você quiser: Alá, Buda, Chrishna, Javé, Tupã, Ogum ou de Deus se você achar melhor, mas será sempre uma verdade transcendente. O importante é saber que dentro de nós há uma realidade maior, uma grande força espiritual. 

V.E. - Os "Pergaminhos do mar morto" trouxeram novidade sobre a vida de Jesus? 

Pr. Nehemias - Esta descoberta fabulosa a qual você se refere ocorreu em 1948, no deserto do Mar Morto, na Cisjordânia. Eu conheço bem essa área porque dou aula de antropologia e ciências bíblicas e os sítios arqueológicos. Sobre o mestre Jesus, ele teria pressupostamente vivido por 33 anos mas, por um período de 18 anos ele desapareceu do cenário internacional. Ninguém sabe o que andou fazendo nesse período. Alguns dizem que teria vivido na Índia aprendendo com mestres Hindus, outros que teria vivido em Jericó num monastério essênico e outros que teria passado esse tempo na carpintaria de seu pai em Nazaré. Nenhuma dessas hipóteses tem base concreta. 

Esses documentos não trouxeram novidades sobre a vida de Jesus. A ênfase é sobre o profeta Isaías, o "profeta messiânico". O capítulo 56 desse profeta é como se fosse uma biografia de Jesus escrita sete séculos antes. Uma perfeita premonição, pré ciência... 

V.E. - Sobre o papel da mulher no Cristianismo. 

Pr. Nehemias - Os doze apóstolos desertaram e deixaram Jesus sozinho. Não fossem as mulheres, o cristianismo estaria "debaixo da cama". Quando Jesus ressuscita, quem estava lá? Uma prostituta resgatada, Maria Madalena, a primeira grande missionária; Maria Santíssima, mãe de todos nós e outra Maria que sustentava economicamente o colegiado. Felizmente hoje o mundo está "mudando a cabeça" e a mulher está ocupando seu espaço, graças à Deus! 

V.E. - Uma mensagem final por favor. 

Pr. Nehemias - Minhas palavras finais são uma oração também: Peço a Deus, o eterno, o espírito que move o universo, que nos una e que as barreiras dos preconceitos teológicos e doutrinários que têm aberto grandes feridas e abismos entre religiões cheguem ao fim; e que nós possamos construir uma Betel de luz, paz e amor. Que haja uma nova consciência no ser humano já que é difícil abrir ao espírito. Ele, como vento, sopra onde quer, já que aqui a vida é grande Pentecostes. Que Deus abençoe os irmãos que participam desta festa eucarística. Agradeço emocionado a presença de vocês da "Revista Visão Espírita" a este santuário e quero que essas sementes se multipliquem. 

Fonte: Revista Visão Espírita 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a sua participação!