O Divórcio (Wellington Balbo)

O bom senso de Kardec em relação ao divórcio

Acredito que a separação conjugal é um dos processos mais dolorosos a que estamos sujeitos na Terra. Quando o casal tem filhos então, a dor toma proporções gigantescas. 

Sentimento de fracasso, vazio e culpa são algumas das sensações que transitam pelo coração daqueles que se propõem a separar as “escovas de dentes”. 

Sofrem todos: filhos e cônjuges, familiares e amigos. 

A família é, pois, reestruturada completamente a partir da ausência de um dos cônjuges. Dúvidas que surgem, temores, receios... Como educar os filhos de agora em diante? Mudará nossa relação? E os amigos em comum, será que ainda teremos contato? 

Enfim, é uma nova vida, um recomeço... 

Diria que um recomeço mais complicado também sob o aspecto financeiro, porquanto as despesas multiplicam-se em velocidade vertiginosa. 

No entanto, prosseguir é preciso. 

Por isso mesmo o ideal é o entendimento de marido e esposa, a compreensão, o apoio mútuo. 

A união de homem e mulher visa, naturalmente, a evolução daqueles espíritos ligados pelos laços do matrimônio. 

Portanto, sou a favor da reconciliação sempre que possível, sou partidário de que a separação deve se dar apenas em casos extremos. 

Todavia, pela falta de entendimento dos objetivos da existência humana e, principalmente, a dureza de nossos corações, conforme acentua Jesus, os casos de casamentos que chegam ao nível do insustentável, gerando agressões físicas e verbais ainda existem. Nessas circunstâncias a separação do casal é inevitável. 

Melhor a separação do que cultivar as feridas abertas constantemente pela imaturidade humana que transforma o lar em ringue. 

Fui casado por 10 anos e dessa união tive dois filhos. Separamo-nos e posso afirmar a dificuldade que enfrentei. Todavia, depois dos obstáculos hoje me sinto melhor e em paz. 

Reitero que sou a favor do entendimento. Separação só mesmo em casos extremos. 

Muita gente, ao saber de minha separação, fez o seguinte alerta: 

Você está desertando de seu compromisso! 

Apenas lamentei: 

Uma pena, mas na atual conjuntura a separação foi inevitável. Em realidade já estávamos separados há tempos. Próximos geograficamente, distantes emocionalmente. 

Como fez com diversos temas que inquietam as pessoas, Allan Kardec também analisou o divórcio. Em O Evangelho segundo o Espiritismo, diz o codificador: 

O divórcio é lei humana que tem por objeto separar legalmente o que já, de fato, está separado. Não é contrário à lei de Deus, pois que apenas reforma o que os homens hão feito e só é aplicável nos casos em que não se levou em conta a lei divina. 

O bom senso de Kardec é notável. Óbvio: o divórcio apenas legaliza a distância imposta pela falta de entendimento. 

Embora não seja o ideal, o divórcio pode, não raro, salvar vidas. Quando o respeito perde seu espaço para as agressões a relação torna-se insustentável, até por uma questão de segurança à integridade física dos cônjuges a separação configura-se como medida prudente

Amigo leitor, melhor adiar um compromisso do que se comprometer ainda mais perante as leis divinas. 

Muita gente afirma que suportará seu companheiro pelo resto da vida para ver-se livre dele em posterior existência. Ledo engano, porquanto suportar o outro não é o que Jesus espera de nós. 

O Mestre quer que nos amemos uns aos outros, pois apenas o amor liberta. Quem aspira liberdade cultiva o amor. 

Se alguma experiência trago em face da separação conjugal é a de que devemos utilizar o tempo de namoro como abençoada oportunidade de conhecer as pessoas que pretendemos nos unir em matrimônio. Quais suas aspirações e objetivos? Temos afinidades além da paixão carnal? Gostamos de conversar, bater papo? Temos sonhos em comum? O ciúme ultrapassa os limites do razoável? 

Na época do namoro são diversos questionamentos interiores que podemos fazer para que as chances de sucesso conjugal aumentem, possibilitando-nos, assim, construir uma família alicerçada na harmonia. 

Eis a importância de planejar os passos capitais da existência. O casamento é um deles, por isso deve ser planejado com zelo e carinho, calma e prudência. Assim o passar dos anos e o arrefecimento da paixão não serão passaportes para o triste “suportar o cônjuge”, pois amá-lo verdadeiramente é o objetivo principal, na certeza de que conquistamos um amigo para a eternidade. 

Contei o fato relacionado à minha vida porque considero importante compartilhar as experiências para que mais pessoas tomem nota e, se possível, beneficiem-se do que já vivemos. 

Separar é muito complicado, por isso, amigo leitor, pense bem, analise e reflita com muito cuidado antes de dar o importante passo do casamento em sua vida. 

Wellington Balbo

(Wellington Balbo é de Bauru, SP, e trabalha no Centro Espírita Joana D'Arc, sendo colaborador da mídia espírita escrita, tendo publicado vários livros.)

Fonte:http://www.orientacaoespirita.org/Artigo%2029.htm



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a sua participação!