Entrevista: Divaldo Franco (Homossexualidade)


Porque da homossexualidade? Será que decorre da genética, ou do convívio familiar? Como os familiares devem agir quando a pessoa assume ser homossexual? Será que os homossexuais que optam por transformar o corpo físico podem causar alguma conseqüência para o perispírito? Essas e outras dúvidas Divaldo Franco responde nesse programa.

Ao contrário do que muitos possam imaginar, a posição da Doutrina Espírita não é de condenação ao homossexual. Aliás, a filosofia espírita não possui a característica da condenação de quaisquer atos ou posturas. Ao invés disso, estuda e compreende a origem dos problemas procurando esclarecer os indivíduos e não condená-los.

Algumas religiões reprovam a Homossexualidade, mas para compreendermos melhor sua complexidade é preciso um estudo mais profundo que leva em conta o aspecto espiritual da coisa. Na edição de Janeiro de 1866 da Revista Espírita, Allan Kardec destaca que a alma não tem sexo, e que em nossa trajetória evolutiva encarnamos como mulher ou homem por diversas vezes. Sendo assim trazemos para a vida na matéria as inclinações do espírito, conservando gostos e tendências, independente da sexualidade. Afinal, somos um espírito eterno com a necessidade de passar por diferentes aprendizados, e cada reencarnação assumimos um novo papel. O que nos cabe, certamente, é o respeito às diferenças, sejam elas quais forem.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a sua participação!